MICARETA 2018

Baixa Grande, Orgulho Nosso

Seguir Roque da Mota

OBRIGADO!,VOCÊ É O VISITANTE Nº

domingo, 31 de agosto de 2014

Política:A Bahia não pode errar na escolha do seu representante







Ouvimos algumas propostas do candidato ao Governo do Estado Rui Costa,destaque para os valores familiares,a educação e a solidariedade.






O PT na Bahia
Não tinha muito conhecimento sobre Rui Costa,mas fiquei feliz em ver a capacidade e inteligencia desse homem simples e humilde,estou convencido que se nós baianos não escolher Rui Costa para governar os destinos da Bahia será um  grande prejuízo para o desenvolvimento da nossa terra.

Independente do ódio de alguns contra o PT,não podemos  deixar de reconhecer que Rui tem mais condições ética,moral,intelectual e política para continuar transformando a Bahia em um estado livre do monopólio político e dos currais eleitorais. 

É um nome novo e não promete fazer algo que teve possibilidade de fazer e não tenha feito,mas pelo contrário representa o novo rumo que a Bahia decidiu tomar com Lula ,Wagner e Dilma,não podemos desistir da Bahia,queremos mais.Como baixa-grandense tento lembrar das realizações de Paulo Souto,mas as lembranças não são boas.

Cesta do Povo quebrada,Baneb fechado e vendido para o Bradesco, Coelba dada para  empresários espanhóis por valor questionado,bem como a aplicação do dinheiro,número de policiais reduzido e sem armamento nem viaturas,faltava calçamento em várias ruas da cidade e povoados,povoados sem água, sem energia elétrica nem postos de saúde,a sobrevivência no interior era caótica e o comercio enfraquecia a cada dia causando a falência de muitos comerciantes,os funcionários com salário arrochado e sem poder de compra.

Hoje nossa terra é outra temos água potável,energia elétrica,posto de saúde,transporte escolar(não mais feito em pau de arara,com lona furada)Você pode até não votar,mas não pode esconder essa realidade.

Fotos do comício em Ipirá 30/08/2014

     
 
     
 

    

     

 


    
      Blog Damotta Notícias
              Roque da Mota

sábado, 30 de agosto de 2014

Bacia do Jacuípe - Comitiva do PT fará eventos em Baixa Grande e Ipirá neste sábado.








O candidato a governo da Bahia, Rui Costa (PT) estará realizando na tarde deste sábado, 30 de agosto de 2014, eventos em Baixa Grande e Ipirá, em Baixa Grande será realizando uma carreta na tarde e a noite será realizado um comício na avenida Cesar Cabral.

O Comício será as 18hs e contará com as presenças de João Leão (PP) candidato a Vice- Governador, Otto Alencar, candidato ao Senado; e candidatos a deputados estadual e federal da coligação ‘Pra Bahia avançar mais’. Além da participação de lideranças do Partido dos Trabalhadores dos municípios vizinhos.

A indicação de Rui Costa não bem vista por eleitores e representação do partido, principalmente pelas cidades do interior que gritava e pedia ao partido a candidatura do atual senador Valter Pinheiro para Governo da Bahia, esta com dificuldade e fazer Campanha para atual indicado.

www,baciadojacuipe.com.br 
Por: Ediomário Catureba

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Cinco desejam o governo da Bahia,mas só um poderá ter seu desejo realizado.







 
Foto Correio da Bahia
Olhando o cenário político atual da eleição  na Bahia,lembrei de uma brincadeira,a disputa da cadeira,onde o objetivo dos participantes é sempre conseguir sentar na cadeira que está livre.No caso a cadeira que todos os cinco candidatos querem sentar é a cadeira de governador da Bahia que fica disponível depois de oito anos de governo de Wagner(PT).Na quinta feira 28/08/2014 aconteceu um debate na Band-Bahia,onde deu para perceber quem está melhor preparado para governar a Bahia nos próximos quatro anos.

Farei uma breve analise sobre o que os candidatos passaram para os eleitores baianos: 

  1. Da Luz-atuou como cego em tiroteio,atirou para todos os lados,mas sem consistência nem firmeza em apresentar suas propostas.
  2.  Marcos Mendes-teve uma brilhante participação no debate,ele tentou mostrar aos telespectadores que Paulo Souto já havia sido governador da Bahia e não fez um bom governo,enquanto questionava e cobrava do atual governo uma postura diferente da que estava tendo até então.Mostrou ser uma pessoa muito consciente e convicto .Particularmente gostei da sua participação.
  3. Lídice-Mostrou uma grande competência e capacidade política para administrar,ela conseguiu mostrar a sua experiência,adquirida durante a sua vida pública.
  4. Rui Costa-também não decepcionou,pois mostrou ser uma pessoa capacitada e inteligente e que tem todas as condições necessárias para fazer uma boa gestão como governador da Bahia.
  5. Paulo Souto-foi o ponto mais fraco do debate,ele mostrou sinal de cansaço e sem vigor necessário para governar a Bahia.Quando apertado por Marcos Mendes,pediu direito de resposta,mas com sua explicação apenas reforçou o que havia sido questionado pelo candidato do PSOL,e continuou dizendo que construiu o hospital de Alagoinhas mesmo sabendo que o tal já existia há mais de sessenta anos.A Band está de parabéns pela organização do debate,pois permitiu a participação de forma democrática,estimulando o confronto de idéias,mas acho que errou quando concedeu o direito de resposta a Paulo Souto na questão da construção do hospital de Alagoinhas,pois o mesmo só confirmou o que Marcos Mendes havia falado,falou,falou e não deu uma explicação lógica nem convincente. 

  Agora cabe aos eleitores baianos escolher o melhor  para a nossa terra amada,chamada Bahia.Tomara que o ódio não influencie na decisão política,nem a emoção ou comoção temporária,mas que os valores éticos,morais e capacidade de gestor inovador sejam observados.
No final da roda das cadeiras apenas um estará sentado para governar a Bahia pelos próximos quatro anos,até lá a disputa por essa vaga continua.

        Roque da Mota
Baixa Grande,Orgulho Nosso

SP: gafes, momentos estranhos e bastidores do debate da Band






Ausência de Geraldo Alckmin (PSDB) e presença de ‘nanicos’ esfriou primeiro debate entre candidatos ao governo de São Paulo; confira oito situações que marcaram o evento


 
Com ataques ao atual governo paulista e poucos, candidatos 'nanicos' ajudaram a esfriar o debate
Foto: Marcos Bezerra / Futura Press

Sem a presença do governador de São Paulo e candidato à reeleição pelo PSDB, Geraldo Alckmin, que está internado no Incor para tratar uma infecção intestinal, o primeiro debate entre os candidatos ao governo do Estado de São Paulo, realizado no sábado pela Band, foi marcado por críticas dos adversários à atual gestão, principalmente no que diz respeito à crise da água e à segurança pública.

Com a ausência do protagonista - pesquisas de intenção de voto apontam que o tucano venceria a disputa no primeiro turno -, o debate foi polarizado entre Paulo Skaf (PMDB) e Alexandre Padilha (PT). O pemedebista e o petista estão na segunda e terceira colocação nas pesquisas, respectivamente. Os candidatos, contudo, evitaram atacar um ao outro, e o debate acabou morno, sem que fosse feito um pedido de direito de resposta sequer.

Além de Skaf e Padilha, participaram do debate os nanicos Gilberto Natalini (PV),  Gilberto Maringoni (PSOL), Laercio Benko (PHS) e Walter Ciglioni (PRTB).

Confira abaixo algumas gafes cometidas pelos candidatos e situações vividas atrás das câmeras – ou nos intervalos.

“Vou votar em Michel Temer”
Pressionado pelo candidato Laercio Benko a dizer em quem votará para presidente, Skaf se limitou a declarar voto no vice-presidente Michel Temer (PMDB), que concorre à reeleição na chapa de Dilma Rousseff (PT).
 
 Embora tenha sido pressionado a apoiar Dilma, já que o PMDB compõe a base do governo, Skaf tenta desvincular sua imagem à da presidente, que tem altos índices de rejeição em São Paulo. “O PT também é meu adversário. Eu não estarei no palanque do PT, e o PT não estará no meu palanque. Meu voto pessoal é para Michel Temer”, disse Skaf. Benko ainda insistiu, mas a resposta foi a mesma.

“Aerotrilho e monotrem”
Ao resgatar bandeiras históricas de Levy Fidelix para os transportes, o candidato do PRTB ao governo de São Paulo, Walter Ciglioni, disse que “todas as questões de mobilidade urbana” discutidas no debate foram levantadas por seu partido. “Todo mundo fala aqui do aerotrilho, monotrem, e o Levy Fidelix já colocou isso 20 anos atrás”, afirmou Ciglioni, misturando as palavras monotrilho e ‘aerotrem’.

Nas eleições de 2012, quando concorreu à Prefeitura de São Paulo, Levy acusou seus adversários políticos de “roubar ideias” e disse que o monotrilho que está sendo construído na capital, por exemplo, nada mais é do que uma versão do seu aerotrem.

Coligações partidárias: Dilma, Aécio e Eduardo Campos
Coligações partidárias: Dilma, Aécio e Eduardo Campos


Batman no horário eleitoral
Em uma discussão a respeito da segurança pública, os candidatos Maringoni e Natalini criticaram os programas produzidos por marqueteiros para o horário eleitoral. “Eu ontem vi os filmes, aqueles filmes contraluz, pareciam filmes de Gotham City. Estava só esperando em qual deles ia aparecer o Batman”, disse Marangoni, arrancando risos da plateia.

“É tudo fantasia de televisão que os grandes marqueteiros criam para iludir o eleitorado”, completou Natalini. A discussão começou quando Maringoni criticou o fato de Alckmin, “um conservador”, e Padilha, “supostamente de esquerda”, apresentarem propostas inspiradas na polícia de Nova York (EUA) para a segurança.

Morumbi violento
Ao responder uma pergunta feita pelo jornalista Sandro Barbosa, que disse que “lugar para acontecer assaltos em São Paulo tem endereço certo, o ‘ladeirão’ ao lado do Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi”, Skaf se apressou em dizer que não concordava com a informação.

“A falta de segurança anão é só aqui do lado do Palácio dos Bandeirantes não, a falta de segurança é em todo o Estado de São Paulo”, disse. “Se fosse só aqui estaria fácil para resolver no primeiro dia”, continuou Skaf, recebendo o apoio de Padilha, escolhido pelo jornalista para fazer comentários. “Eu que passei minha infância e minha adolescência aqui no Parque Regina, no Campo Limpo, na preferia da zona sul de São Paulo, não concordo com a afirmação de que o problema da segurança está no Morumbi. Ela está alastrada em todo o Estado 

 estúdios da Band, todos os candidatos lamentaram a ausência do governador Geraldo Alckmin no debate, que cancelou sua participação devido a uma infecção intestinal, mas nenhum tratou o tema com tanta naturalidade quanto o candidato do PT, Alexandre Padilha: “Torço pela recuperação. Desarranjo nunca é conveniente para ninguém”, disse o petista, usando um termo adotado em algumas regiões do País como sinônimo de diarreia. O governador está internado no Instituto do Coração (InCor) sem previsão de alta, mas seu quadro é estável.

 
  Amigos de infância
Sem Alckmin, Skaf e Padilha polarizaram o debate da Band no último sábado
Foto: Marcos Bezerra / Futura Press


Posicionados lado a lado no palco, os candidatos Gilberto Maringoni e Paulo Skaf conversavam como amigos de longa data antes do início do debate. Depois, no primeiro intervalo, o papo continuou com direito a risos e tapinha de Skaf no ombro de Maringoni.

A assessoria da campanha de Skaf disse que eles não se conheciam e que esse é o jeito do candidato do PMDB, que conversa com todo mundo. Esse comportamento, no entanto, não foi observado no trato com o candidato do PT, Alexandre Padilha, posicionado à direita de Skaf.

Duda Mendonça x Suplicy
O publicitário Duda Mendonça, que foi marqueteiro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2002 e agora é responsável pelo marketing da campanha de Skaf, se dirigiu ao senador e candidato à reeleição Eduardo Suplicy (PT) como “amigo” após o debate deste sábado. Duda conversava com jornalistas quando foi interrompido por Suplicy, que queria “apenas para dar boa noite” ao colega que não via há tempos.

Em 2005, Duda surpreendeu Lula ao admitir, em depoimento à CPI dos Correios, na esteira do escândalo do Mensalão, que havia recebido dinheiro de caixa dois do partido. O publicitário foi absolvido das acusações de evasão de divisas e lavagem de dinheiro no julgamento no Supremo Tribunal Federal.

Militância desmobilizada
Ao contrário do que aconteceu no debate da Band no Rio de Janeiro, quando a militância do PT e do PR recebeu os candidatos Lindberg Farias e Anthony Garotinho, respectivamente, com celebração (e grosserias dirigidas ao governador Luiz Fernando Pezão, do PMDB), os militantes paulistas parecem não ter encontrado motivação para ir até os estúdios da TV na noite deste sábado.

Às 21h, a apenas uma hora do início do debate, havia apenas partidários de Skaf segurando bandeiras em frente aos portões.
Terra

Confira a íntegra da entrevista de Marina Silva ao Jornal Nacional







Marina Silva encerrou o primeiro ciclo de sabatinas com os candidatos à Presidência da República promovido pela TV Globo (Foto: TV Globo/Divulgação)
Marina Silva encerrou o primeiro ciclo de sabatinas com os candidatos à Presidência da República promovido pela TV Globo (Foto: TV Globo/Divulgação)



Marina Silva encerrou o primeiro ciclo de sabatinas com os candidatos à Presidência da República. Na próxima semana, os presidenciáveis serão entrevistados no ‘Jornal da Globo’ e, na semana de 22 de setembro, no ‘Bom Dia Brasil’. O debate está previsto para o dia 02 de outubro. A entrevista de Marina durou 15 minutos, sendo o último minuto e meio para considerações finais da candidata.

Confira a íntegra da entrevista:

William Bonner: Boa noite, candidata.

Marina Silva: Boa noite, William. Boa noite, Patrícia.

William Bonner: Muito obrigado pela sua presença. O tempo da entrevista começa a ser contado a partir de agora. Candidata, o avião que o PSB vinha utilizando na campanha eleitoral, até aquele acidente trágico de duas semanas atrás, está sendo investigado pelas autoridades competentes. Ele foi objeto de uma transação milionária feita por meio de laranjas. Essa transação não foi informada na prestação de contas prévia, parcial, à Justiça Eleitoral. A senhora tem dito que vai inaugurar uma nova forma de fazer política, que todo político tem que ter certeza absoluta da correção de seus atos. No entanto, a senhora usou aquele avião como teria feito qualquer representante daquilo que a senhora chama de velha política. Eu lhe pergunto: a senhora procurou saber que avião era aquele, quem tinha pago por aquele avião, ou a senhora confiou cegamente nos seus aliados?

Marina Silva: Nós tínhamos, William, uma informação de que era um empréstimo, que seria feito um ressarcimento, num prazo legal, que pode ser feito, segundo a própria Justiça Eleitoral, até o encerramento da campanha. E que esse ressarcimento seria feito pelo comitê financeiro do candidato. Existem duas formas, três formas, aliás, de fazer o provimento da campanha: pelo partido, pelo comitê financeiro do candidato e pelo comitê financeiro da coligação. Nesse caso, pelo comitê financeiro do candidato. Essas informações eram as informações que nós tínhamos.

William Bonner: A senhora sabia dos laranjas? Essa informação foi passada para a senhora como candidata a vice-presidente?

Marina Silva: Não tinha nenhuma informação quanto a qualquer ilegalidade referente à postura dos proprietários do avião.

William Bonner: Eu lhe pergunto isso...

Marina Silva: As informações que tínhamos eram exatamente aquelas referente à forma legal de adquirir o provimento desse serviço. Agora, uma coisa que eu quero dizer para todos aqueles que estão nos acompanhando é que, para além das informações que estão sendo prestadas pelo partido, há uma investigação que está sendo feita pela Polícia Federal. E o nosso interesse e a nossa determinação é de que essas investigações sejam feitas com todo o rigor para que a sociedade possa ter os esclarecimentos e para que não se cometa uma injustiça com a memória de Eduardo.

William Bonner: Candidata, quando os políticos são confrontados ou cobrados por alguma irregularidade, é muito comum que eles digam que não sabiam, que foram enganados, que foram traídos, que tudo tem que ser investigado, que se houver culpados, eles sejam punidos. Este é um discurso muito, muito comum aqui no Brasil. E é o discurso que a senhora está usando neste momento. Eu lhe pergunto: em que esse seu comportamento difere do comportamento que a senhora combate tanto da tal velha política?

Marina Silva: Difere no sentido de que esse é o discurso que eu tenho utilizado, William, para todas as situações. Inclusive quando envolve os meus adversários. E não como retórica, mas como desejo de quem de fato quer que as investigações aconteçam. Porque o meu compromisso e o compromisso de todos aqueles que querem a renovação da política é com a verdade. E a verdade, ela não virá nem apenas pelas mãos do partido e nem, também, apenas pela investigação da imprensa. Que eu respeito o trabalho de vocês. Ela terá que ser aferida pela investigação que está sendo feita pela Polícia Federal. Isso não tem nada a ver com querer tangenciar ou se livrar do problema. Muito pelo contrário, é você enfrentar o problema para que a sociedade possa, com transparência, ter acesso às informações.

William Bonner: Candidata...

Marina Silva: O compromisso é com a verdade.

William Bonner: Agora, é que a senhora tem uma postura bem rigorosa no que diz respeito à ética, no discurso, quando a senhora se dirige aos seus adversários. Esse rigor ético que a senhora exige dos seus adversários nos faz perguntar e insistir se a senhora antes de voar naquele avião não teria então deixado de fazer a pergunta obrigatória se estava tudo em ordem em relação àquele voo. Não lhe faltou o rigor que a senhora exige dos seus adversários?

Marina Silva: O rigor é tomar as informações com aqueles que deveriam prestar as informações em relação à forma como aquele avião estava prestando serviço. E a forma como estava prestando serviço era por um empréstimo que seria ressarcido pelo comitê financeiro. Agora, em relação à postura dos empresários, os problemas que estão sendo identificados agora pela imprensa, e que com certeza serão esclarecidos pela Polícia Federal, esses, eu, como todos os brasileiros, estou aguardando. E com todo rigor. Eu não uso, William, de dois pesos e duas medidas. Não é? A métrica, a régua com que eu meço os meus adversários, é porque eu a uso em primeiro lugar comigo. E, neste momento, o meu maior interesse é de que tenhamos todos os esclarecimentos. Agora, uma coisa eu te digo: a forma como o serviço estava sendo prestado era exatamente esse do empréstimo, para que depois tivéssemos a forma de ressarcimento pelo comitê financeiro.

Patrícia Poeta: Ok. Candidata, vamos falar agora das eleições de 2010. A senhora obteve uma votação expressiva. Foram quase 20 milhões de votos. Mas o seu desempenho no seu estado, o Acre, onde a senhora fez toda a sua carreira política, onde as pessoas conhecem muito bem a sua forma de atuação e onde suas ideias e as suas ações são de conhecimento amplo por parte dos eleitores, a senhora tirou terceiro lugar. Ficou com metade dos votos do primeiro colocado, o então candidato pelo PSDB, José Serra. Ou seja, o eleitor acreano votou pesadamente na oposição ao governo federal. Aos eleitores dos outros estados do país que não a conhecem tão bem, como é que a senhora explicaria essa desaprovação clara no seu berço político?

Marina Silva: Em primeiro lugar é que esse terceiro lugar não estava tão distante do segundo. Eu fiquei muito próxima do segundo lugar, que foi a presidente Dilma.

Patrícia Poeta: Sim, mas foi metade do primeiro.

William Bonner: Metade do primeiro.

Patrícia Poeta: Metade do primeiro. Eu tenho aqui os números: 23,45%, a senhora; 52,13%, José Serra.

Marina Silva: Tem uma coisa, Patrícia, que até é um provérbio que a gente usa muito: é muito difícil ser profeta em sua própria terra. Sabe por quê? Porque, às vezes, a gente tem que confrontar os interesses. Eu venho de uma trajetória política que, desde os meus 17 anos, eu tive que confrontar muitos interesses no meu estado do Acre ao lado de Chico Mendes, ao lado de pessoas que se posicionaram ao lado da Justiça, da defesa dos índios, dos seringueiros, da ética na política. Isso fez com que eu tivesse que seguir uma trajetória que não era o caminho mais fácil. Aliás, na minha vida, nunca é fácil, não é? E, nesse caso, eu era candidata por um partido pequeno, em que...

Patrícia Poeta: Candidata...

Marina Silva: Não, mas deixa eu esclarecer...

Patrícia Poeta: Então tá, conclua aí para que a gente possa seguir aqui e fazer outras perguntas.

Marina Silva: Exatamente.

Patrícia Poeta: É justo com o telespectador.

Marina Silva: Por um partido pequeno, concorrendo contra duas máquinas muito poderosas, com 1 minuto e 20 segundos de televisão. E, mesmo assim, a candidata do PT, que tinha o governo do estado, senadores, deputados, vereadores, prefeitos... Eu fiquei muito próxima a ela. E isso...

Patrícia Poeta: O que eu estou querendo dizer é o seguinte: o berço político de um candidato é onde ele é mais conhecido pelos eleitores. Isso pode ser uma enorme vantagem para um candidato ou não. No seu caso não foi. Não seria como se os acreanos estivessem dizendo uma variação daquele velho ditado: “Quem não a conhece que vote na senhora”?

Marina Silva: Talvez você não conheça bem a minha trajetória.

Patrícia Poeta: Conheço, conheço, conheço, candidata. Nós estudamos bastante antes de fazer essa entrevista.

Marina Silva: Eu, como senadora... Mas eu faço questão de dizer porque eu acho que você tem um certo desconhecimento do que que significa ser senadora vindo da situação que eu vim. Eu não sou filha de político tradicional, não sou filha de nenhum empresário, porque, no meu estado, até a minha eleição, para ser senador da República, era preciso ser filho de ex-governador, era preciso ser filho de alguém que tivesse, de preferência, um jornal, uma TV e uma rádio para falar bem de si mesmo e falar mal daqueles que ficavam defendendo a Justiça.

Patrícia Poeta: A culpa é dos acreanos então?

Marina Silva: Não, não é culpa dos acreanos. É culpa das circunstâncias. Os acreanos foram muito generosos comigo em muitas vezes. Eu já cheguei a ficar quatro anos sem poder andar na metade do meu estado. Sabe por quê? Porque queriam fazer uma estrada sem estudo de impacto ambiental, sem respeitar terras dos índios e as unidades de conservação. E eu não podia trocar o futuro das futuras gerações pelas próximas eleições.

William Bonner: Candidata...

Marina Silva: Eu preferi pagar o preço de até perder os votos, mas lembra quando eu saí do Ministério do Meio Ambiente, que eu disse que eu perdia o pescoço, mas não perdia o juízo?

William Bonner: Vamos falar da sua chapa, candidata?

Marina Silva: Essa foi a minha trajetória no estado do Acre, essa tem sido a minha trajetória no Brasil e é assim que eu quero governar o Brasil.

William Bonner: Candidata.

Marina Silva: Fazendo aquilo que é necessário para as futuras gerações.

William Bonner: Candidata, me permita interrompê-la...

Marina Silva: E não o que é necessário para ganhar voto para as próximas eleições.

Patrícia Poeta: Daqui a pouquinho a senhora vai poder falar no um minuto e meio.

William Bonner: Me permita interrompê-la só para gente prosseguir com a entrevista. Queria falar sobre a sua chapa. O vice na sua chapa: Beto Albuquerque. Ele foi um dos principais articuladores no Congresso Nacional da aprovação da medida provisória que aprovou o cultivo da soja transgênica aqui no Brasil. Ele também foi favorável a pesquisas com células-tronco embrionárias, são dois pontos em que eles se opõem a posições suas do passado. Além disso, ele aceitou doações de campanha - quando candidato - de setores da economia que a senhora não admitiria, setor de fabricantes de armas, fabricantes de bebidas. Esses exemplos não mostram que Marina e Beto Albuquerque são a união de opostos, aquela união de opostos tão comum na velha política, apenas para viabilizar uma chapa, para viabilizar uma eleição. O que que há de novo nessa política, candidata?

Marina Silva: Em primeiro lugar, mais uma vez eu quero trazer as informações para que a gente possa trabalhar com a realidade dos fatos. Uma questão fundamental: nós somos diferentes e a nova política sabe trabalhar na diversidade e na diferença. Agora, o fato do Beto ter uma posição diferente da minha em relação a transgênico em um aspecto. Há uma lenda de que eu sou contra os transgênicos. Mas isso não é verdade. Sabe o que que eu defendia quando era ministra do Meio Ambiente? O modelo de coexistência, o que significa áreas com transgênico e áreas livres de transgênico. Infelizmente no Congresso Nacional não passou a proposta do modelo de coexistência. E o Beto votou na proposta que acabou fazendo com que...

William Bonner: Mas na questão das células embrionárias há uma oposição forte...

Marina Silva: Nas células...

William Bonner: Mas eu lhe pergunto. Veja se eu entendi: quando a união de opostos se dá com a senhora e alguém, então isso é uma união em prol do Brasil, é a superação de divergências. Quando essa união de opostos se dá com adversários seus, aí é o modelo da velha política, é uma conveniência eleitoral.

Marina Silva: Mais uma vez, William, eu quero dizer que você está trabalhando apenas com um lado da moeda.

William Bonner: Por quê?

Marina Silva: Você está trabalhando com o lado das diferenças que eu e Beto temos no episódio das células-tronco, que ele defende...

William Bonner: Não, não. Estou confrontando apenas com posições que a senhora tem assumido sobre a nova política em oposição à velha política. E não está clara para mim a diferença quando a gente vê dois candidatos de posições opostas unidos numa chapa. Era só essa a questão.

Marina Silva: Não está claro pra você, mas eu vou deixar claro para o telespectador. Mais uma vez eu insisto: você está apenas com um lado da moeda. Por exemplo, eu e Beto temos uma visão diferente em relação às células-tronco e em relação a transgênico. Mas tivemos um trabalho juntos, no Congresso Nacional, quando ele foi o relator da Lei de Gestão de Florestas Públicas do Ministério do Meio Ambiente, que criou o Serviço Florestal e que me ajudou a aprovar a lei da Mata Atlântica e tantas outras medidas importantes para o Ministério do Meio Ambiente. A vida não tem essa simplificação que muitas vezes a gente acha. Isso não tem nada a ver com velha política. Eu marquei a minha trajetória de vida trabalhando com os diferentes, na diversidade. E aí você está dando a oportunidade de que os telespectadores possam ver que essa história de que a Marina é intransigente.

Patrícia Poeta: Tá faltando um minuto, candidata.

Marina Silva: Que só conversa com aqueles que pensam igual a ela, não é tão verdade assim.

Patrícia Poeta: A senhora agora pode, então, usar esse um minuto e meio e falar com os seus telespectadores: dos projetos que a senhora tem para o país, quais seriam os prioritários?

Marina Silva: Em primeiro lugar, eu gostaria de poder dizer para os nossos telespectadores que um dos projetos mais importantes, neste momento da história do Brasil, é que a gente possa renovar a política. De que a gente não desista de ter na política aquilo que os brasileiros tanto querem, que é vê-la a serviço de resolver os principais problemas do cidadão. Infelizmente, a política tem sido motivo de apartação, de contenda, da luta do poder pelo poder. Para mim, a política deve ser utilizada para unir as pessoas, para que, mesmo com interesses diferentes, a gente seja capaz de mediar os conflitos e fazer aquilo que é melhor para o benefício do povo brasileiro. Como presidente da República, eu quero que você me ajude a ser presidente da República para ser a primeira presidente que vai, que assume o compromisso de que não vai buscar uma nova eleição, porque eu não quero ter um mandato que comprometa o futuro das próximas gerações.

Patrícia Poeta: OK, candidata.

Marina Silva: Eu quero para que a gente possa ter uma agenda para mudar o Brasil.

Patrícia Poeta: OK, 15 minutos já, 15 minutos e 16 segundos. Obrigada pela sua entrevista.

William Bonner: Muito obrigada candidata Marina Silva pela sua participação, pela sua entrevista no Jornal Nacional.BLOG DO JM

Baixa Grande - Domingo acontece terceira Rodada no Municipal






Mais quatros equipes estarão neste domingo, 31 de agosto pelo Campeonato Municipal de Futebol Amador em Baixa Grande, as partidas estão sendo realizado nos Campos da Vitória e em São José. No campo da Vitória a equipe do Umbuzeiro recebe a equipe da Quadra Q, e a equipe de São José recebem em casa a Equipe do Slalom Futebol Clube.

O Campeonato Municipal de Futebol Amador, teve início em 17 de agosto, 16 equipes lutam pelo título, são elas: Quadra Q, Recanto do Mel, Lagoa do Mamão, Laranjeira, Baixa Grande Jr, Umbuzeiro, Tamburi, Viração, Sete Futebol Clube, Maçaranduba, Novo Sítio, São José, Corinthians, Boa Vinda, Km -04 e Shalom.
Domingo, 31 de agosto de 2014
15h - Umbuzeiro X Quadra Q - Campo da Vitória
15h - São José X Shalom - Campo de São José


www.baciadojacuipe.com.br 
Por: Ediomário Catureba

Riachão do Jacuípe - Mulher tem carro tomado e é levada pelos bandidos até Capim Grosso







Nesta quarta-feira (27), por volta das 15h30, a senhora Meire Mota Mascarenhas teve o seu carro Fox, de cor preta, tomado por elementos não identificados, que estavam em um Corola prata, placa de Vitória da Conquista, na BR-324, próximo a Riachão do Jacuipe.

O caso aconteceu próximo ao povoado da Santana. De acordo com informações da vitima, os elementos a abordaram com armas de cano longo, provavelmente metralhadora ou escopeta, e a obrigaram a passar para o banco traseiro. Um deles assumiu a direção do veiculo e o conduziu até o município de Capim Grosso.

Por volta das 21h, os elementos retornaram a Riachão do Jacuipe e deixaram Meire Mota em uma estrada vicinal, nas proximidades do Posto Carreteiro. Após ser abandonada pelos bandidos, Meire entrou em contato via celular com familiares, que lhe socorreu.

Meire Mota Mascarenhas, que é jacuipense e reside na Rua Coronel José Pinto, em Feira de Santana, nada sofreu. Ela disse aos familiares que apenas ficou assustada com a ação dois bandidos.

Por volta das 21h30 ela prestou queixa do ocorrido na Delegacia de Policia de Riachão do Jacuipe. Depois, a Policia fez rondas, mas não conseguiu localizar os elementos.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Mais de 300 mil pessoas já implantaram biochips em seus corpos






Mais de 300 mil pessoas já implantaram biochips em seus corposMais de 300 mil pessoas já implantaram biochips
A medicina está prestes a iniciar a implantação de um biochip que será capaz de controlar diabetes, ser usado como método contraceptivo e ainda para fazer exames dando um diagnóstico preciso e rápido até mesmo para casos de câncer.
O biochip é um dispositivo eletrônico do tamanho de um grão de arroz chamado de “wearables” assim como acessórios tecnológicos de uso pessoal como os óculos, relógio e pulseiras fabricados por empresas como LG, Motorola e Samsung.
A diferença é que este pequeno dispositivo será implantado dentro do organismo humano. “Os biochips vão acelerar o diagnóstico das doenças, porque são ultrasensíveis. Isso vai permitir exames de análises clínicas mais rápidos e baratos”, diz Idagene Cestari, diretora de bioengenharia do Instituto do Coração (Incor) em entrevista à Veja.
Através dessa cápsula de vidro será possível, por exemplo, analisar substâncias como o sangue para identificar se a pessoa está ou não doente.
Em casos de diabetes o biochip poderá ser implantado para liberar a quantidade ideal de insulina. Casos de pressão alta também poderão ser acompanhados por este pequeno aparelho que promete revolucionar a medicina.
Idagene é uma entusiasta sobre o uso desse dispositivo. “Poderemos fazer uma medicina personalizada”, disse ele.
Uma startup ligada ao  Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT)  já testou um biochip para evitar gravidez. Implantado sob a pele ou no abdômen da mulher ele libera diariamente uma pequena dose de hormônio contraceptivo. O aparelho pode ser usado por 16 anos, quando a mulher desejar ter filhos, através de um controle remoto o médico ou a paciente desativa o biochip e estará pronta para gerar.
No Brasil a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) na área de otorrinolaringologia tem testado o biochip para casos de surdez.
Implantado no ouvido dos pacientes surdos, ou no tronco cerebral, o biochip libera impulsos elétricos estimulando o nervo auditivo. Com esse procedimento espera-se que cérebro interprete a informação e restaure a capacidade do usuário reconhecer os sons, ainda que sejam “robóticos”.

Uso de biochips aumenta a cada dia

O uso do biochips pode parecer novidades, mas há cerca de 300 mil pessoas que já usam esses dispositivos no mundo todo. A Veriteq Corp, fabricante de biochips nos Estados Unidos, já tem aval da  Food and Drug Administration (FDA) e já comercializada três modelos de dispositivos.
No Brasil não há fabricantes desses dispositivos, mas alguns brasileiros já estão usando para abrir carros e conectar computadores como é o caso de Raphael Bastos, de 28 anos.
Morador de Belo Horizonte (MG) o jovem conseguiu implantar um biochip que lhe permite destravar computadores, passar por catracas, destrancar portas e ligar o carro apenas encostando a mão esquerda em um leitor.
Bastos conseguiu adquirir um biochip através da loja Dangerous Things, um site especializado em comercializar esses dispositivos. Com 99 dólares é possível comprar o aparelho e ainda seringas especiais e bisturis que devem ser usados para a implantação do produto.Rádio Nova Esperança

Segunda rodada do Campeonato Intermunicipal 2014






FBF WEB

Domingo, 24 de Agosto
  • Remanso
    0X1
    Caém
    15:00Remanso
  • Ibicaraí
    2X0
    Itajuípe
    15:00Ibicaraí
  • Uruçuca
    8X0
    Itabuna
    15:00Uruçuca
  • Coarací
    3X0
    Ilhéus
    15:00Coarací
  • Ibirataia
    3X0
    Ipiaú
    15:00Ibirataia
  • Ubaitaba
    4X3
    Jitaúna
    15:00Ubaitaba
  • Valença
    1X0
    Nazaré
    15:00Valença
  • Ituberá
    0X1
    Camamú
    15:00Ituberá
  • Santo Antônio de Jesus
    1X2
    São Felipe
    15:00Sto. Antonio de Jesus
  • Buerarema
    0X0
    Camacan
    15:00Buerarema
  • Iguaí
    1X2
    Ibicuí
    15:00Iguaí
  • Itamaraju
    0X0
    Prado
    15:00Itamarajú
  • Eunápolis
    2X0
    Itarantim
    15:00Eunápolis
  • Pau Brasil
    0X1
    Belmonte
    15:00Pau Brasil
  • Paratinga
    3X2
    Guanambí
    15:00Paratinga
  • Macaúbas
    3X1
    Luís Eduardo Magalhães
    15:00Macaúbas
  • Brumado
    1X0
    Condeúba
    15:00Livramento de N. Sra.
  • Itapetinga
    2X1
    Firmino Alves
    15:00Itapetinga
  • Planalto
    0X2
    Floresta Azul
    15:00Planalto
  • Vera Cruz
    1X3
    Amargosa
    15:00Itaparica
  • São Franc. do Conde
    2X1
    Amélia Rodrigues
    15:00Junqueira Ayres
  • Cipó
    3X0
    Ribeira do Pombal
    15:00Cipó
  • Quixabeira
    2X0
    São José do Jacuípe
    15:00Quixabeira
  • Ipirá
    1X1
    Mairí
    15:00Ipirá
  • Feira de Santana
    1X0
    Conceição da Feira
    15:00Alberto Oliveira
  • Itaberaba
    2X0
    Tanquinho
    15:00Itaberaba
  • Piritiba
    1X1
    Ourolândia
    15:00Piritiba
  • Miguel Calmon
    2X0
    Mundo Novo
    15:00Miguel Calmon
  • Ponto Novo
    0X6
    Capim Grosso
    15:00Ponto Novo
  • Paulo Afonso
    0X0
    Euclides da Cunha
    15:00Paulo Afonso
  • Conceição do Coité
    1X0
    Riachão do Jacuípe
    15:00Retirolândia
  • Simões Filho
    3X2
    Lauro de Freitas
    15:00Simões Filho
  • Maragogipe
    0X0
    Sapeaçú
    15:00Maragogipe
  • Cachoeira
    0X0
    São Félix
    15:00Cachoeira
  • Conceição do Jacuípe
    2X1
    Irará
    15:00Conceição do Jacuípe
  • Santo Amaro
    2X0
    Terra Nova
    15:00Santo Amaro
  • Araçás
    2X1
    Catu
    15:00Araçás
  • Alagoinhas
    2X1
    Pojuca
    15:00Alagoinhas
  • Santaluz
    1X0
    Biritinga
    15:00Santaluz
  • Porto Seguro
    3X0
    Nova Viçosa
    15:00Porto Seguro

OUÇA NOSSA RÁDIO !

MAGAZINE DAMOTTA



                                                 Magazine Damotta,sua compra segura na internet

Clique  na imagem para visita
 a nossa loja e pesquisar o que deseja


                Guitarra Strato Seizi Vision - Roxo MetálicoContrabaixo 4 Cordas Passivo Strinberg CAB 16 - Vinho


         Encordoamento de Bronze 0.09 para Violão - D´Addario EZ 890 - 85/15 Conjunto de 4 Cordas para Contrabaixo - GHS 5L CC

            Combo Amplificador para Contrabaixo com 20W RMS - Onerr Sniper 20  Transmissor sem Fio - Vokal VWR 15 G 05

                Suporte para Guitarra e Contrabaixo - Saty 4020 Piano Digital Casio CDP 120 - Preto

                        Magazine Damotta

BREVE HISTÓRIA DE BAIXA GRANDE

CLIQUE NO TÍTULO OU NA IMAGEM

Micareta de Baixa Grande-2015

Bloco- As Poderosas

O urso na Micareta de Baixa Grande

Baile à Fantasias-Micareta-2015

Bahia Campeão Baiano 2015

Santos Campeão Paulista 2015

PREPARE-SE !

Arquivo do blog

VISITE DAMOTTA NEWS

O prefeito Pedro Lima Neto, na tribuna da Câmara de Vereadores, nesta quinta-feira (19/02).

 

Zero Hora

Últimas notícias

Carregando...